Ao contrário do que muita gente pode pensar, a vida financeira de freelancer pode ser tão boa quanto a de qualquer outro tipo de profissional? Para isso, é claro, é importante tomar alguns cuidados e seguir algumas regras.

E é justamente sobre isso que vamos conversar ao longo deste post! Continue a leitura para ver o que você precisa saber a fim de garantir estabilidade financeira atuando como profissional autônomo!


Por definição, um freelancer é alguém que oferece seus serviços por um caché, muitas das vezes sem ter nenhum CLIENTE FIXO geralmente, embora em algumas situações uma relação de continuidade possa sim se estabelecer. Ainda assim é uma forma de trabalho autônomo.

São muitos os benefícios proporcionados por esse formato de trabalho, como a liberdade de horários, um controle maior sobre negociações de remuneração, ( essa ainda não é uma realidade no mercado do áudio).

No entanto, também há desafios, sobretudo no que diz respeito ao controle financeiro. Como qualquer trabalho ou empresa, o trabalhador freelancer precisa cumprir suas obrigações fiscais federais, estaduais e locais. Isso significa emitir notas fiscais dos serviços prestados e realizar a declaração de imposto de renda da mesma forma que faria se fundasse uma empresa.

Como a remuneração vem de maneira inconstante, de acordo com a finalização dos trabalhos, o freelancer também deve saber controlar seus gastos, considerando entradas e saídas, nem sempre teremos um bom fluxo de caixa, para isso controlar o que recebe e gasta é a chave do sucesso. Mas o que fazer para conciliar isso tudo ?

A busca pela estabilidade na vida financeira de freelancer
Se você já é freelancer ou se está considerando entrar para esse universo, saiba: é essencial seguir algumas boas práticas no que diz respeito à vida financeira.

1. Separe o dinheiro profissional do pessoal
O primeiro passo é separar a vida pessoal da profissional, o que pode ser bem difícil quando você é sua própria empresa é o único empregado dela na maioria dos casos. Comece delimitando essa separação. É importante separar o dinheiro que será o é seu pró-labore, o salario que você paga para você mesmo como funcionário e o que é fluxo de caixa para dar continuidade ao seu negócio.

Separe os gastos com treinamentos ( afinal você precisa estar atualizado no mercado ), pagamento do seu contador e os impostos, por exemplo, de cada caché recebido você deve descontar o valor dos impostos e o contador e reservar um percentual para seu salario Dessa forma, você já consegue diferenciar o que é CUSTO e o que é lucro.

2. Tome cuidado com a precificação do trabalho
Também é fundamental valorizar o seu trabalho, sempre considerando o que o diferencia dos outros freelancers. Para isso, olhe para o mercado e veja o quanto vale o trabalho que você realiza.
Repare que existe uma grande diferença entre PREÇO e VALOR
Preço: É o que o mercado cobra que muitas vezes e baixo, mas quando você agrega VALOR ao mesmo serviço que todo mundo faz igual , você pode convencer ao seu cliente pagar mais que o valor de mercado pelo seu VALOR AGREGADO ao mesmo tipo de serviço.

Utilize com base a média cobrada pelo mesmo serviço no mercado com o preço que acha justo cobrar pelos diferenciais que oferece. Não se esqueça de considerar ainda os custos que terá para entregar o trabalho ( transporte e alimentação são coisas que devem ser consideradas na sua formação de preço.

Um último detalhe: pensando no seu salário mensal, é importante incluir um percentual de reserva para investimentos em cada negociação com seus clientes ( FUNDO DE RESERVA ).

3. Estruture um planejamento financeiro
Outro ponto fundamental para ter estabilidade na vida financeira de freelancer é o planejamento. Considere seus objetivos como freelancer, defina metas econômicas que deseja alcançar e delimite prazos para alcançar tudo isso. Lembre que como jogadores de futebol, você não tera o mesmo vigor com o passar dos anos planeje uma carreira adequado a essa curva de performance.

O ideal é ter um planejamento financeiro dividido em 3 etapas: curto, médio e longo prazos. Isso o ajudará a controlar melhor suas receitas, bem como a colocar em prática métodos de poupança e também realizar investimentos para crescer.


4. Use a tecnologia para controlar seu dinheiro
Você não precisa ser um expert em Excel, tampouco em soluções de Business Intelligence (BI) para controlar seu dinheiro certinho. Hoje em dia, são muitos os recursos capazes de ajudar nessa missão — alguns, inclusive, gratuitos.

No caso do Excel, dá até para encontrar planilhas prontas na internet com esse propósito. Ao mesmo tempo, muitos aplicativos já vêm parametrizados, de forma que você só precisa preencher as informações corretamente, não deixando nenhum dado para trás.

Verifique, por exemplo, se o banco em que você movimenta seu dinheiro disponibiliza um app. Se sim, use o internet banking para acompanhar sua movimentação e aproveite os relatórios disponíveis por lá!

5. Invista para ter mais qualidade de vida
Como a vida de freelancer em alguns nichos oferece uma LIQUIDEZ que pode dar a falsa senção de estabilidade financeira, muitos profissionais acabam não poupando. Mas isso é um erro! Se você quer ter mais qualidade de vida, é importante ter sempre uma reserva financeira e, claro, trabalhar para aumentá-la cada vez mais.

Lembre-se de que você também precisa tirar algumas semanas de férias durante o ano, por exemplo. Para isso, vai precisar guardar dinheiro, uma vez que não conta com o décimo terceiro salário, bônus ou o terço adicional, como um funcionário CLT por exemplo.

6. Faça investimentos seguros e focados no futuro
O freelancer também deve ficar atento aos investimentos, principalmente pensando no seu crescimento financeiro. Você precisa olhar, por exemplo, para a questão da previdência privada, uma vez que não tem vínculo empregatício e, portanto, não faz reserva automática de FGTS e outros benefícios garantidos pela CLT.

No blog, mongeralaegon de onde descobri o artigo no qual baseei este texto mostra muitas opções e dicas de investimentos de médio e longo prazos que rendem muito mais que a poupança e podem ajudá-lo a ter um futuro bem mais próspero.

7. Fidelize seus clientes para manter a renda
Por fim, para manter uma carteira boa de clientes, é importante traçar estratégias de fidelização e diversificação. Lembre-se, afinal, de que conquistar um novo cliente custa mais dinheiro e demanda mais tempo e esforço do que manter sua atual clientela satisfeita!

Nesse sentido, busque sempre promover ações de relacionamento, atenda bem e se antecipe aos problemas dos artistas ou empresas com as quais trabalha.

Como você viu, não é muito difícil ter uma vida financeira estável trabalhando como freelancer! O que é necessário é ter uma visão empresarial, sempre voltando seus esforços para controlar e fazer o dinheiro conquistado com seu trabalho render. E isso requer disciplina e constante atualização.

O que você tem feito para manter a estabilidade da sua vida financeira de freelancer? Gostou das nossas dicas? Compartilhe este post nas suas redes sociais para que mais pessoas tenham acesso!